sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Meu vestido de casamento

Detalhe...


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Casamento - Detalhes

Pois é, depois da escolha da data, a escolha da igreja e do restaurante...
A igreja, no meu caso, foi a da terra da noiva, como é tradição! Onde fui batizada e realizei todos os ritos tradicionais da igreja católica portuguesa... Por isso, foi muito especial para mim casar nesse espaço, senti-me muito confortável!!
Quanto ao restaurante, é sempre necessário aliar um bom espaço com uma boa comida! Eu conhecia bem o restaurante em questão por isso foi fácil para mim, mas, atenção, apesar de se conhecer bem podemos sempre ter surpresas!!!.... No meu caso fizeram alterações no dia do casamento de q não gostei nada.... Mas, felizmente, nenhum dos convidados se apercebeu pelo q a festa foi óptima....!! No entanto, a noiva apercebe-se sempre e é melhor definir bem os pormenores e deixar bem claro q não queremos alterações ao combinado. De evitar situações q causem mal-estar para nós, pois acima de tudo é o nosso dia!!!

150

150 Seguidores!!!

Tão bom!!!

Uma meta espetacular!!!

Muito obrigada a todos!!!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

A escolha da data: 13 de Outubro de 2012

A escolha da data 13 de Outubro de 2012 não foi um acaso, foi sim o dia em que fizemos 5 anos de namoro!!!... Não seria possível melhor data pois não?!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Casamento

Devem estar a perguntar-se sobre o porquê da minha ausência durante mais de um mês...
Pois é, casei!! E um casamento dá muito trabalho organizar, principalmente nos últimos dois meses...
Andei numa correria só... E depois do casamento?... Bem, é desfrutar durante um tempo... Depois é voltar à realidade, muito a custo... Depois é organizar a nova vida, a nova rotina diária, os novos horários, as novas necessidades, a nova casa...
Como tal o blogue e a poesia ficaram de lado durante todo este tempo...
Peço desculpa a quem me segue regularmente... Mas fica a promessa, voltei!!
E também a promessa de partilhar um pouco como foram estas últimas semanas, e, claro, o casamento!!

Até aos próximos posts!!!

Bjinhos


sábado, 8 de setembro de 2012

Queria...


Queria ver-te
Queria dizer-te o que sinto
Queria olhar-te
E poder dizer que não minto.

Queria ter coragem
Ou, talvez, maior insensatez
Queria ser selvagem
Amar-te sem lucidez.

Queria estar contigo agora
Olhar-te…
E talvez nesta hora
Não tivesse receios em amar-te.

Queria ter-te como abrigo
Queria um tipo de amor sem banalidade
Queria não ter pudor contigo
Queria tu e eu eternamente sem idade.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Review do Passatempo no Blog Uma Chávena de Charme em parceria com a Anocas Orifama



Sim, sou uma sortuda!!! :)
Há poucos dias ganhei de novo um outro passatempo em parceria com a Anocas Orifama!!
Desta vez  fui a vencedora do Passatempo no Blog Uma Chávena de Charme com a Anocas Orifama e recebi estes produtos Oriflame: uma Eau de Toilette Fire. 30 ml e um Brilhos de Lábios Power Shine Oriflame Beauty. Cor: Soft Coral, com um valor comercial de 29,80€.


Experimentei os produtos e já costumo usá-los no meu dia-a-dia. Deixo a minha opinião sobre eles:
O perfume é mesmo Fire!! :) Intenso. Fresco e doce ao mesmo tempo (não sei explicar como, é a sensação com que fico)... O frasco tem um design lindo, a fragrância é intensa e exótica, mas muito, muito agradável, e deixa um aroma suave e duradouro no ar à minha volta! Adorei e uso sempre que quero chamar um pouco mais à atenção... ;)


O brilho de lábios tem uma cor linda e muito suave e é ideal para realçar de forma brilhante os lábios, mas não é nada exagerado, apenas um ligeiro toque de brilho. Tem um cheiro doce a frutos silvestres, uma textura cremosa e nada peganhenta e é bastante duradouro (muito bom para mim que às vezes parece que como o batom e o gloss, lol)! Adorei e já o uso no meu dia-a-dia!!!


Nota positiva para ambos os produtos, adorei!!

Obrigada XanocaS e Ana Neves!!!

Não se esqueçam de visitar!!!



Review do Passatempo no Blog Blast In a Glass em parceria com a Anocas Orifama



No mês passado fui a vencedora do Passatempo no Blog Blast In a Glass em parceria com a Anocas Orifama, o blog da Ana Neves de que falei no post anterior!!

Recebi estes produtos Oriflame: uma Eau de Toilette Roll-On Giordani Golde um Espelho Giordani Gold, com um valor comercial de 14,00€.



Experimentei os produtos e já costumo usá-los no meu dia-a-dia. Deixo a minha opinião sobre eles:
O perfume vem num frasco lindo e muito prático, com aplicador roll-on o que permite colocar a dose certa de perfume na pele, sem exageros e sem desperdício. O perfume em si é muito fresco e suave, deixando um aroma duradouro na pele! Adorei e uso-o sempre que prefiro uma fragrância mais discreta, e também posso levá-lo comigo sempre que tenho saídas mais longas!!



O espelho tem um design lindo, é pequeno e prático e já acompanha a minha mala em todas as saídas!! Um dos lados tem o reflexo normal, por exemplo, para verificarmos se a maquilhagem está a sobreviver a este calor e continuamos lindas :) O outro lado tem um reflexo de aumento, de modo que, para além de me acompanhar na mala, também me acompanha na aplicação da maquilhagem, por exemplo, na aplicação do eyeliner!!


Adorei ambos os produtos!! Fazem um conjunto lindo!

Obrigada Mariana Cheta e Ana Neves!!!

Não se esqueçam de visitar!!!

Review

Confesso que a minha ideia era de construir um blog de poesias e pensamentos, em exclusivo, com pouco mais que isso, sem me debruçar sobre assuntos de beleza, moda, maquilhagem, etc...
Mas alguns acontecimentos felizes e nada expectáveis fizeram mudar um pouco a minha opinião.
É que, na verdade, devemos sempre apoiar e divulgar coisas boas, que valem muito a pena, para além de contribuir para o sucesso de pessoas boas no que fazem, trabalhadores, gentis e muito dedicadas!
É o caso da Ana Neves, do blog Anocas Orifama!!



Como tal, irei apresentar de seguida duas review sobre os produtos que ganhei em dois passatempos em parceria com a Anocas Orifama!!
Para llém de ter adorado os produtos, estou muito surpreendida pela dedicação e rapidez com que a Ana envia as suas encomendas, mesmo tratando-se de prémios de sorteios (q muitas vezes são negligenciados por muitas bloggers...)!
Vale muita a pena visitar o blog da Ana Neves: Anocas Orifama!!

domingo, 12 de agosto de 2012

Que bem se está por aqui...

No Verão o que gosto é de água, de estar perto de água e, ainda melhor, dentro de água!
Seja na praia, no rio, na piscina, o que eu quero é estar dentro de água o máximo de tempo possível. Estender-me na toalha, na areia, rochas ou na espreguiçadeira? Não, qual quê... O que eu quero é estar na água a relaxar! Horas e horas, nem nado, depois apanho escaldões :) mas nada que não se resolva! Eu estou bem é na água a relaxar!




segunda-feira, 6 de agosto de 2012

100 Seguidores!!!

Hoje é um dia de muita alegria para mim! Este blog de poesias chegou aos 100 seguidores!

A todos o meu Muito Obrigada!!!



quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Indecisão

Sabem aquela fase na vida... 
em que nada do que sonhamos um dia realmente acontece, ... 
em que tudo o que planeamos e vivemos no momento já não faz o mesmo sentido que fazia antigamente, ... 
em que as oportunidades parecem escorregar-nos entre os dedos e não as conseguimos agarrar, ...
em que o tempo nos escapa e parece que já é tarde demais... ?

Sabem? ...

Eu estou nessa fase...

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Aveiro

Das minhas cidades portuguesas preferidas! 
Desejava visitá-la há anos, mas este verão não escapou. 
A Veneza Portuguesa é realmente maravilhosa e única!
Fiquei encantada com a paisagem, o rio, o passeio de moliceiro, as casas coloridas, as salinas, os ovos moles...
Para sempre na minha memória!...






terça-feira, 24 de julho de 2012

Domingo à tarde...




Num domingo à tarde,
Uma tarde de sol,
Estar assim deitada
Num lugar fresco e belo.
Não à melhor forma de passar o Verão.
Pelo menos para mim...

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Coisas da vida


Irrita que a vida seja tão efémera.
Irrita que nos apercebemos disso demasiado tarde.

Irrita...

sexta-feira, 6 de julho de 2012

A partida

Sei que foste embora, tentado, deixando para trás apenas o eco dos teus passos que ainda ouço ressoar.

Sei que foste embora, revoltado, sem qualquer réstia de arrependimento ou dor no teu olhar.


Sei que foste embora, decidido, apressado, sem nenhuma despedida emocionada, com rancor.


Sei que foste embora, para sempre, demente, renegando, assim, o nosso amor.




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 26 de junho de 2012

De noite, entre os lençóis… (Parte 2 / 2)


Ah, como eu queria nascer de novo sabendo tudo o que sei hoje! Seria tudo diferente! Ou talvez não, talvez seria tudo exatamente igual, ou pior ainda, devido a esta minha incapacidade crónica.
Mas não adianta chorar, nem lamentar, nem imaginar o que seria diferente. Não há solução, a não ser no presente e o passado há muito que está ausente (ou talvez não, há passados bem presentes). E apesar de saber disto, continuo a chorar e a lamentar, mas já não imagino como seria tudo diferente.
Choro, lamento, choro a minha dor, lamento ser o que sou. De noite, entre os lençóis.
Faço da noite minha companheira, da cama o meu conforto, os lençóis são o véu que me cobre e esconde, os cobertores abafam os meus gemidos, e a almofada enxuga as minhas lágrimas e é o meu ombro amigo, onde descanso a cabeça e adormeço, para encontrar novas esperanças em sonhos, e de novo acordar de manhã com uma nova força para enfrentar o mundo.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

De noite, entre os lençóis… (Parte 1 / 2)


Parto de casa todos os dias com a mesma sensação de talvez nunca mais voltar. Uma sensação de medo, de um grande medo de enfrentar o mundo. Sempre esse receio de algo de mal acontecer. Algo capaz de desmoronar a minha vida.
E, no entanto, de noite, choro entre os lençóis por nada de novo acontecer, por a minha vida não mudar e continuar nesta inércia, nesta letargia. E choro entre os lençóis e os cobertores, e grito em silêncio contra Deus, contra esta incompetência divina que não me dá o que desejo e que quando muda algo na minha vida é para pior. E choro e lamento e murmuro palavras de ódio contra mim mesma, contra esta incapacidade ambulante.
Digo a mim própria que nunca devia ter nascido. Mas não, não posso voltar atrás e dizer não, não quero nascer, viver é dor demais!



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Nova imagem no blog

Olá!
Decidi mudar um pouco a imagem do blog, parecia-me muito escuro...
Gostava de saber a vossa opinião sobre esta nova cara do blog, pois ainda tenho dúvidas se vai ficar assim... Parece tudo muito azul...

Espero as vossas opiniões! Críticas também benvindas!!

Obrigada a todos!

Bjinhos

quinta-feira, 21 de junho de 2012

O tempo

O tempo assume um desenrolar para mim desconhecido.
Sinto passar o tempo e não o reconheço, não me reconheço.
Parece que escorre pelas minhas mãos fechadas bem forte numa tentativa de não o deixar escapar, mas de nada adianta apertar o tempo contra mim, ele foge-me pelos dedos como água.

Já nem sei quem sou, o que faço, onde estou, com que propósito...

Volto a sentir desejos antigos de desaparecer para sempre...

Há dias assim, por vezes semanas, meses, anos.
Para mim são dias, mas mesmo assim já me parecem demais.

Queria ter um lugar, alguém, algum propósito, algo que me prenda e segure bem forte...

São esperanças, ainda continuo a tê-las.

Talvez um dia chegue esse tempo...



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Luz

Onde quer que a gente vá
Haverá sempre uma estrela a brilhar.
O que quer que aconteça
Há sempre uma luz pra nos guiar…


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.


segunda-feira, 18 de junho de 2012

Um país

Queria levar-te a um país de Verdade e de Fé
Onde só existe o Bem e a Paz e não há malvadez.
Queria levar-te a viver num Paraíso de Amor e Pureza
Onde todos se amam e se vive em comunhão com a Natureza.

Mas esse lugar fica longe e não te posso lá levar,
Por isso, em vez disso, levo-te sempre dentro do meu coração!



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.


sexta-feira, 15 de junho de 2012

O Poema...

Não sei se vem de mim ou de outros
Não sei se sou eu que o faço.
Só sei que em mim se mostra e eu o conheço
E de mim sai e nasce para o mundo…
O poema…


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

1000 Visualizações!!!

E já contabilizei 1000 visualizações da minha página de blog! Q alegria!
Pode parecer insignificante mas significa imenso para mim!
Muito obrigada a todos os que visitam e acompanham este meu cantinho de poesia!


A todos os que por cá passaram o meu muito obrigada e que voltem sempre!

A todos os que pela primeira vez por cá passam, muito benvindos e continuem por cá!

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Amor à primeira vista


No instante em que te vi
Algo em mim despertou,
Talvez amor ou paixão.
Neguei esse sentimento em mim,
Achei que não era verdade,
Achei que era impossível,
Cerrei-o bem longe de mim.
Mas não se pode fugir ao destino,
Ou fugir de nós mesmos
Para sempre.
Não se pode prender sentimentos
Nem se pode negar o Amor.
E, por isso, agora eu assumo:
Me apaixonei por ti…


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Ninguém


Ninguém limpa as minhas lágrimas
Ninguém beija a minha face
Ninguém me liberta dos medos
Ninguém me abraça apertado.

Ninguém me diz: “Tu consegues!”
Ninguém é capaz de me escutar
Só rezo para um dia encontrar
Esse ninguém na minha vida…


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Rio




Queria ter um rio perto de mim
Para contemplar a sua beleza
Sentir o seu cheiro
Ouvir o seu curso
Mergulhar os pés nele
Recolher tesouros do seu leito
E sentir a força da sua natureza.

Queria viver perto de um rio
Adormecer todas as noites inundada pelo som da água a correr
Embalada por ela
Sonhando estar dentro dela e ser parte da sua essência
E acordar de manhã com o mesmo som
Acreditando ainda que tudo o que sonhei era verdade
E que faço parte desse rio.

Queria ter um rio perto de mim.
Queria fazer parte dele.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.


Cinco dias, cinco posts de um texto sobre a Solidão

Espero que tenham gostado do meu texto sobre a Solidão dos nossos dias e as suas várias facetas, um assunto muito actual e que continua a dar muito que falar.

Foram cinco dias, cinco posts sobre a Solidão. Espero que vos tenha proporcionado uma boa leitura e, principalmente, uma boa reflexão.

Porque o essencial não é absorver, mas sim meditar...

sábado, 9 de junho de 2012

Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 5 e última



Existem muitas formas de encarar a solidão e são todas diferentes as pessoas que dela sofrem…
O que devemos aprender é a doseá-la. Uns poucos momentos de solidão na nossa vida só fazem bem, ajudam-nos a manter o nosso próprio equilíbrio e a aumentar o conhecimento sobre nós próprios.
No entanto, por mais que algumas pessoas tentem negar e digam que não precisam de ninguém e que são independentes, ninguém quer estar sozinho… Todos precisamos da companhia de um amor, de amigos, de familiares. Todos desejamos que a solidão seja, enfim, uns raros momentos de introspecção…


Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 5 de 5


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 4



Todavia, a solidão não é apenas um mal das pessoas que subiram na vida e não tiveram tempo para a combater. Ela não se restringe a um só grupo social, atinge tudo e todos por igual e com igual impacto, todos aqueles que não souberam ou não puderam combatê-la.

A solidão atinge também e cada vez mais os mais idosos, que a sociedade marginaliza, como se eles não tivessem mais nada para dar ou como se não merecessem a sua atenção e acção, ou que os seus próprios filhos e familiares abandonam em lares duvidosos ou casas degradadas, sem apoio nem companhia.
Pessoas solitárias são também aquelas cujas escolhas na vida as ditaram à marginalização, rejeitadas pela sociedade por serem o exemplo de tudo o que ela tem de pior ou potencia: toxicodependentes, sem-abrigos, prostitutas, ex-reclusos…
E também aquelas que por terem doenças incuráveis são postas de parte, talvez por as outras pessoas terem medo e não quererem acreditar que essas doenças existem ou que, um dia, também elas podem ser vítimas delas: o caso dos doentes com SIDA ou outras doenças infecto-contagiosas, dos deficientes físicos ou mentais ou dos doentes com perturbações psiquiátricas.





Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 4 de 5



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.


quarta-feira, 6 de junho de 2012

Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 3



No entanto, a solidão é uma palavra de dois gumes… e o que parece ser um paraíso para uns, para outros pode ser um verdadeiro inferno…
Numa sociedade que dá primazia ao ter uma grande carreira profissional, ao ganhar muito dinheiro e ostentar grandes bens, e que nos leva a pensar que só assim seremos homens e mulheres de sucesso, é cada vez mais difícil encontrar amigos sinceros e amores verdadeiros, e as pessoas entregam-se a relações superficiais e falsas, que logo acabam em lágrimas e sofrimento.

Enquanto se é jovem, não se dá imediatamente conta disso e continua-se a alimentar a carreira profissional e a fazer crescer o dinheiro para se acumular mais bens. Mas, quando se começa a envelhecer e a carreira já está concluída, o dinheiro guardado e os bens acumulados, só aí se dá conta de que ainda falta algo… Falta o amor, a amizade, a bondade, a tolerância, a paz, falta alegria e felicidade…

E, então, começa-se a procurá-los, mas não se sabe como os procurar, onde os procurar, porque eles não se compram nem se mandam fazer. E como exigem novos métodos que não os aplicados no trabalho, depressa se desiste de os procurar e entregámo-nos à solidão de uma casa grande e rica, mas vazia, oca.



Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 3 de 5



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 2



Então refugiam-se em casa, na solidão de quatro paredes, descansam, mais a mente do que o corpo. Não ligam a televisão, porque aí a frustração seria ainda maior. Mas ouvem música, suave e reconfortante, que os faz pensar que o paraíso existe e que o amor, a amizade, a bondade, a tolerância, a paz podem estar ali, contidas nessa música tão bela e harmoniosa. Ou, então, lêem um livro e transportam-se para outros lugares, belos, esquecidos do tempo, onde a natureza ainda vive, onde as pessoas ainda eram boas e inocentes…

E na solidão e no silêncio da noite são outra vez seres humanos livres e não escravos da sociedade e do mundo moderno. E, então, sentem-se bem e felizes, pelo menos até ao nascer do dia.

A solidão pode, então, ser considerada uma palavra boa, já que é estando sós que nos redescobrimos a nós próprios, que somos quem realmente somos, que reencontramos a paz dentro de nós…




Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 2 de 5




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Publicação de fotografias da minha autoria

Para animar um pouco o blogue, decidi publicar algumas fotografias minhas e de minha autoria, de forma também a ilustrar um pouco os meus textos.

Para já introduzi fotos em 3 posts:

http://queriadeti.blogspot.pt/2012/05/simplicidade.html


Ainda é muito pouco, eu sei, mas com o tempo espero publicar muitas mais e melhores.
Espero que gostem, dêem a vossa opinião!

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 1



Solidão. Segundo o Grande Dicionário da Língua Portuguesa, solidão é o estado do que está só, de uma pessoa solitária, apartada do mundo.

Na realidade, às vezes, é benéfico apartarmo-nos do mundo. Afinal, o mundo está tão mal, tão desigual, com tantas pessoas a viver demasiado bem e outras a morrer à fome, com tantas guerras e tanta violência. As pessoas já não sabem o significado da palavra amor, amizade, bondade, tolerância, paz,… Vivem obcecadas com o subir na vida a todo o custo, nem que tenham de pisar os outros no caminho, ganhar cada vez mais dinheiro, mostrar aos outros as riquezas e os estatutos que vão adquirindo…

Mas algumas pessoas não são assim, e ao fim de um dia cansativo de trabalho e de correria, refugiam-se depressa em casa para fugir a esse mundo superficial e enganador, para apartar-se dessas pessoas demasiado ambiciosas, para fugir à frustração de ver as injustiças que acontecem, para fugir à frustração de ver que as pessoas não são o que parecem…



Solidão_A palavra de dois gumes - Parte 1 de 5




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

domingo, 3 de junho de 2012

Oh Morte!...


Oh Morte vem depressa,
Vem confortar a minha alma!
Depressa! Corre, corre!
Que ela precisa de ser salva…



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Ode ao Silêncio



Chiu!
Calem-se!
Parem!
Deixem-me ouvir o Silêncio!
Ah! Eu gosto de ouvir o Silêncio
De ouvir o que ele diz!
Dá-me uma paz ouvir o Silêncio…!


Ah! Bendito Silêncio!
Tu dás paz à minha alma
Fazes voar o meu espírito
E ele voa, ah, voa para longe deste inferno!


Voa para o longínquo tempo onde havia natureza
Onde se ouvia o barulho das folhas das árvores moverem-se ao sabor do vento
Onde as águas dos rios corriam livres no seu percurso
Onde se acordava com o cantar dos pássaros
E onde até, por vezes, se ouvia o desabrochar das flores…!


Ah! Que saudades desse tempo!
Mata-me as saudades do tempo em que eu era feliz!
Ah! Bendito Silêncio!
Inunda os meus ouvidos com a tua voz
E transporta-me de novo para esse tempo…




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Ode ao Sono


Vem, Sono, vem!
Vem cobrir de trevas os meus pensamentos
Vem fechar meus olhos para eu não ver o sofrimento
Vem povoar de sonhos o meu espírito.


Ah! Bendito Sono!
Bem-aventurado sejas por me dares este consolo.
A minha alma te agradece esse descanso apetecido
E o meu corpo ama essa tua letargia.


Vem Sono, vem interromper meus pensamentos tenebrosos,
Minhas ideias suicidas.
Vem dar vida a este meu espírito que só pensa na morte.
Vem oferecer-me os sonhos da minha vida!




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 29 de maio de 2012


Uma gota cai
Uma lágrima se solta
Dos olhos tristes
Da minha alma.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Chuva


Abençoada a chuva que cai e esconde as minhas lágrimas
Abençoada a chuva que cai e esfria a minha raiva
Abençoada a chuva que cai e alivia a minha dor
Abençoada a chuva que cai e limpa a minha alma.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

500 Visualizações

500 visualizações da minha página de blogue, 500 pessoas que por cá passaram para ler os meus poemas!!!

A todos os que por cá passaram o meu muito obrigada e que voltem sempre!!!

A todos os que pela primeira vez por cá passam, muito benvindos e continuem por cá!!!

Away


So many years
So many ways
So many tears
So many fights.

So many dreams
So many fears
So many things
Had passed away.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Treasure


I have a treasure in my heart
I have a treasure in my soul
It's made of gold and silver
It's smell is the smell of the incense.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Missing

I miss my poems
I miss my dreams
I miss my peace
My soul is weak
My heart is cold.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Bem-aventurado


Bem-aventurado o que maneja a enxada tão bem como a caneta
E não tem medo de ser chamado lavrador.
De dia trabalha a terra e faz nascer seus alimentos
E à noite escreve papéis e faz nascer os seus poemas.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 22 de maio de 2012

O mundo é bom e belo ... Enquanto alguém olhar para ele com amor…


Como podes viver sem saberes se o que fazes é certo?
Como podes viver sem saberes o que queres?
Como podes acordar de manhã e voltar para a vida
Sem saberes o que os outros esperam de ti?

Como podes ter sonhos sem saberes se estes vão ser realidade?
Como podes continuar a sonhar seres o que não és?
Como podes continuar a caminhar nos dias
E sorrir, olhando o mundo com amor?

Sim, não sei se o que faço é certo.
Não sei o que quero nem o que os outros esperam de mim.
Não sei se os meus sonhos se tornarão realidade
E mesmo assim continuo a sonhar ser o que não sou
E continuo a caminhar nos dias
E sorrio porque o mundo é bom e belo
Enquanto alguém olhar para ele com amor…




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

domingo, 20 de maio de 2012

Ausência

Estendo para ti a minha mão
Para sentir teu aconchego
Mas só encontro a meu lado
O teu lugar na cama vazio.

Chamo teu nome no escuro
Procuro-te pelo quarto
Por fim encaro a verdade
Já não estás mais aqui.

Depois dos beijos trocados
Depois das carícias infinitas
Depois do abraço apertado
Fico na solidão, triste.

Choro, gritando nunca mais.
Mas quando te aproximas de mim
Não consigo resistir-te
E de novo me entrego, feliz…



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Romantismo - Parte II

Acordo contigo no meu pensamento.
Passo o dia contando as horas que faltam para estar contigo.
O momento mais feliz é quando chega a noite
E te posso ver.
Adormeço a pensar em ti
E no sono sonho contigo.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Romantismo

Pensando em ti ganho forças,
Olhando para ti tenho paz,
Ouvindo a tua voz renovo as esperanças.

O teu cheiro me enche de vida
E quando me tocas arrepio-me
Como a areia quando tocada pelo mar...



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Mar



Sinto-te longe
Quero-te perto
Peço ao mar
Que me devolva
O meu amor...



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Simplicidade



Sei que sou uma pessoa simples, quase básica até...
Não quero com isto dizer que sou uma pessoa simples ou básica no sentido de ser uma pessoa primária, elementar, instintiva, retrógrada, bem pelo contrário, considero-me um tipo de pessoa até complexa... Mas isso é assunto para outros devaneios...
Refiro-me à minha forma de estar na vida e às coisas poucas e simples que me fazem feliz: estar em casa a ler um livro, ver um filme, ouvir música, à lareira com a pessoa amada ou na galhofa com a família... ou então passear num bonito jardim ou numa floresta, ver, sentir e cheirar o mar ou arriscar-me na montanha, estar com amigos numa esplanada sossegada, saborear comidas diferentes...
Coisas simples que conseguem fazer a minha felicidade e fazer-me sentir realmente bem.
Coisas simples e baratas ou até que nem têm preço.
A felicidade ao alcance da mão...




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Cavalo Negro


Tenho um cavalo negro.
Negro como a noite
Negro como as trevas que existem no meu coração
Negro como negra é também a minha alma.

Nele cavalgo.
A noite inteira
Entre o céu e a terra
O mar e as montanhas.
Nele sou livre
E é também livre a minha alma.

Assim a minha alma pode cavalgar...



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.


Imagem retirada de http://fabriciofsousa.blogspot.pt/2010/09/cavalo-negro.html

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Voz


Ouço a tua voz
Que preenche os meus ouvidos
Que invade o meu cérebro
E purifica a minha mente

Ouço-a uma e outra vez
Horas a fio
Sem me fartar

Tua voz suave
Ritmada
Harmoniosa
Dá-me paz

Não penses que não te amo por não te falar
Basta-me ouvir-te
Falar, sempre
Horas a fio
Sem me fartar

Conta-me
Conta-me tudo
Só não pares de falar
Só não cales tua voz

Tenho sede de palavras
Mata-me a sede com a tua voz
Segreda-me frases de amor ao ouvido
Sibila, qual serpente bendita
Sussura letras sem sentido
Quando não tens mais assunto

Só não pares de falar
Só não cales tua voz.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Espectro

Vivo longe
Mas moro perto.

Minha sombra e meu deserto
São de quem morreu
E de mim está perto.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.


Paz

Deixa-me em paz
Deixa-me morrer
O mundo se apraz
Por me ver sofrer.



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

domingo, 6 de maio de 2012

Notícias do baú de recordações

Hoje fui visitar o meu baú de recordações e de poemas antigos… Pensava em sensações que estou a sentir e que sabia que já tinha sentido em alguma altura da minha vida. Então decidi vasculhar as minhas memórias…

Notícias

Vejo o Mundo nas notícias,
Vejo a morte em todo o lado.
Os assassinos agora são terroristas
E os maus da fita são árabes.

Vejo o Mundo nas notícias,
Na caixinha televisão:
Pequena tela de cinema
Onde a realidade parece ficção.

Entre as notícias que chegam
Há aviões que chocam com torres,
Discotecas onde se dança a morte
E teatros palcos de massacres.

Onde irá chegar o Mundo
Com notícias como estas?!
Onde irão chegar os Homens
Nesta vida de promessas?!

Escrevi este poema em Outubro de 2002, passado um ano de notícias alarmantes, de acontecimentos marcantes, que com certeza todos os da minha geração se recordam. Sinto que hoje em dia não estamos melhor, até sinto que estamos em mais um ponto de viragem histórica… Só não sei se para melhor ou pior… Muitos dos valores em que acreditávamos estão constantemente a ser postos em causa e já não sabemos mais em quem confiar e com quem podemos contar. É realmente uma vida de promessas e não sabemos onde iremos chegar!...





Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

À espera da Primavera

Meu coração dorme
Á espera da Primavera
Onde possa finalmente
Despertar e florir de novo!



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Deixo-vos com uma frase de reflexão:

Quão perto está o ódio do amor
E quão fácil nos é amar ou odiar!



Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Ausente


Não sei que espécie de efeito a chuva tem em mim, principalmente aquela fora de época, não o percebo em pleno, não sei que processos envolve, o que origina esse efeito, como ele se desenvolve, como ele leva a certas consequências...
Só sei que quando chove dias e dias seguidos sinto-me mais estática, melancólica, sem vontade...
Principalmente num momento como este, em que a minha vida está como que sem rumo, sem trajectória fixa definida...
Por isso tenho estado calada, sossegada, sem produzir...
Mas tenho consciência de que tal deve acabar! Mas que é isto?! Deixar-me afectar pela chuva... não pode ser... Regressarei em pleno, contrariando a minha falta de convicção inconsciente! E vai ser hoje!



Imagem retirada de http://imprensafalsa.com/tag/chuva

sábado, 28 de abril de 2012

Mais um poema inédito...

What do you see?
What do you seek?
Where are you going?
How can you breath?

It’s time for you.
It’s time for us.
The search is complete.
They’re waiting already…


Come!


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Pintura

Mais um pequeno presente!!!!
Este poema também faz parte do meu livro, aqui ao lado, já à venda!!!


Pintura

Fez-te o mar
Fez-te a sombra
Fez-te o luar
O horizonte.

Fez-te o céu
O azul, as nuvens
Fez-te o verde
As árvores, o chão
Tudo.

Fez-te a noite
Fez-te as estrelas
Fez-te a terra, o vento
A luz.

Fez-te assim
Fez-te como és
Para mim.
És mar, és sombra
Luar e horizonte
O céu, as árvores
A noite e as estrelas
És terra, és vento, és luz
És sonho puro
Do meu pincel.




Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Os poemas atrás publicados são inéditos...

Diferentes dos publicados no livro, mas fazem igualmente parte de mim...

Sete anos

Ao longo de sete anos
Sete anéis de brilhantes
Sete promessas de sonhos
Sete coroas de flores.

Ao longo de sete anos
Sete árvores cresceram
Sete histórias se perderam
Sete temporais rebentaram.

Ao longo de sete anos
Sete sovas tu me deste
Sete marcas no corpo
Sete punhais no coração.

Ao longo de sete anos
Sete mulheres diferentes
Sete enganos, traições
Sete formas de mentir.

Ao longo de sete anos
Sete filhos, sete abortos
Sete urgências de hospital
Sete anos, sete dores.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

O café

Cá fora os pombos
As pedras sujas
O tempo quente
E aquele olhar
Franco e luzidio
Me fita.

Os pombos esvoaçam
Alimentam-se, entretêm-se
A gente passa
Indiferente
Andando apressada
E a mim me fita
Um olhar, quente
Aquele olhar franco e luzidio…


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Queria de ti

Uma vez que nestes últimos dias estive muito ausente, deixo-vos um miminho muito especial:
O poema que deu o nome ao meu primeiro livro publicado!!

Espero que gostem!!



Queria de ti

Queria de ti a beleza dos campos em flor
Queria de ti a força das correntes dos rios
Queria de ti a paz do silêncio da noite
De ti quero o toque suave de uma lira.

Queria de ti um sentimento profundo
Uma paixão que devagar se transforma em amor.
Queria de ti tudo de bom
Que neste mundo vil ainda existe.

Queria de ti a protecção forte de uma montanha
Queria de ti o perfume intenso de uma rosa.
Queria de ti a transparência da água
Ou, quem sabe, talvez o calor do fogo.

De ti quero tudo.
Beleza, força, paz, suavidade, amor,
Bondade, protecção, sinceridade.
Mas o que eu quero mesmo de verdade
É estar contigo nem que seja só por uma tarde.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Uma angústia, uma apatia...

Nos últimos dias tenho sentido uma certa angústia que não sei explicar, uma sensação de que algo vai mal e não vai melhorar, um peso, uma aflição... de quem está perdida e não consegue se encontrar...
E também uma apatia, uma inércia em relação a tudo o que tenho... Ainda não perdi tudo, ainda tenho coisas de que me orgulhar, mas, no entanto, não faço nada para as sustentar... Parece que até o que me resta quero perder! Parece que estou numa fase ou tudo ou nada! Parece que as partes que mantenho não me satisfazem e que a parte que me falta para mim é tudo!...
Não sei explicar... uma angústia, uma apatia...


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Alguém

Sei de alguém que coleciona títulos de respeitabilidade, só pelo prazer de ser olhada em cima de um pedestal.
Sei de alguém que dá o dito por não dito, sem intenção alguma de o lamentar.
Sei de alguém que se rodeia de gente digna e culta, só para parecer ser o que nunca será.
Sei de alguém para quem nada é impossível, até um dia dela precisares.

Sei de alguém...
Tu... que nunca olhas além de ti e dos teus, que nunca vês para além dos teus muros e quintais, que nunca passou da sua linha de horizonte...

Tu... para quem nada é bom o suficiente, para quem ninguém lhe chega aos calcanhares, para quem o mal nos outros é mousse de chocolate...

Não sei como continuar esta relação, não sei como continuar a conviver contigo, não sei como fingir que está tudo bem, não sei como esconder que começo a odiar-te...


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

terça-feira, 27 de março de 2012

Sem ti

Contigo tinha tudo:
Ambição, Esperança, Sonhos.
E agora sem ti o que tenho?
Que irei ambicionar?
O que hei-de esperar?
Com quem irei sonhar?

Maldito o dia em que te conheci!

...

Em que dia foi?!


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

Cravos

Põe este cravo sob o teu cabelo
Um cravo branco como a paz e belo
Podia ser vermelho como a madrugada
Lembrando a luta pela liberdade
Mas é branco como a paz e belo...


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

sábado, 24 de março de 2012

Janela

Naquela janela
Vi a luz do sol
Sob o campo verde

Vi-te a ti correndo
Cabelo ao vento
Asinhas nos pés
Como um deus correndo
Que desceu do céu

Anjo tu não eras
Eras feiticeiro
Pois me enfeitiçaste
Enquanto corrias
E eu te olhava
Naquela janela
Virada para o sol.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Vou despir-me, vou arrancar a minha roupa e atirá-la para um canto
Como quem despe, arranca e atira para um canto a sua alma.


Autora: Cristina Maria Maias Oliveira
Respeite os direitos de autor / se copiar divulgue a autoria.